Esse garoto não estuda faz 2 anos, e pais fazem alerta importante

Os meninos, Logan e Sam, com 14 e 13 anos respectivamente, não vão para a escola há dois anos, ao invés disso, eles estão jogando em seus quartos. Eles fazem birras e brigam com seus pais quando o jogo é removido deles. O assunto rendeu polêmicas em mídia social e gerou questionamentos em diversos países.

Os genitores alegam que os filhos não são crianças felizes; pois o jogo não traz alegria. Pelo contrário, eles estão isolados da vida e muito solitários. Tanto a mãe como o pai resolveram relatar nas redes sociais, os dramas que eles vivem com os respectivos filhos, que passam por um momento complicado dentro da própria residência.

Eles vivem como se fossem prisioneiros no próprio lar em que habitam, os pais alegam que eles são mantidos como reféns pelo jogo que já virou vício, o ‘brinquedo’ juvenil é jogado por mais de 125 milhões de jogadores em todo o mundo.

A família confessa que não está sabendo como ajudar aos garotos, assim como também nem imaginam como conseguem livrar a família do problema abordado, uma vez que estão passando por momento conturbado e que parece não ter solução segundo afirmaram na internet.

A mãe de Logan, cujo nome é Britta Hodge, disse que a relação com os filhos está péssima, tendo em conta que ela comentou que chegou a ligar para a polícia ir na residência da família com o objetivo do policial resolver assuntos relativos aos jogos.

Um dos filhos do casal chegou a dizer: “Eu estava deprimido e comecei a jogar e isso só me fez sentir feliz novamente”. Ele relatou que passou por momentos ruins quando viu que a família toda não estava bem, por essa razão, sentiu necessidade de jogar para fugir da ‘realidade’.

De acordo com os pais de Logan, eles tentaram fazer de tudo o que estava no alcance deles para conseguir livrar os filhos do apego excessivo para com o jogo online, porém assumiram que não obtiveram sucesso na tentativa.

Acompanhe relatos da mídia americana sobre as questões apresentadas: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *